busca

envie um email telefones para contato

08:46 - 02/06/10
Imóveis compactos e bem localizados ficam mais caros

Aos olhos de construtoras e incorporadoras, o filão de imóveis compactos, de até 40 m² e localizados em bairros de classes média e média alta, tem se agigantado no mercado paulistano. Só neste ano foram sete lançamentos desse tipo, contra oito em todo o ano passado. O preço médio subiu de R$ 90,8 mil para R$ 166,5 mil nesse período; há unidades de mais de R$ 300 mil.

Diferentemente das antigas quitinetes, os novos apartamentos pequenos -entre os quais se destacam os estúdios, sem paredes- se sustentam nos conceitos de estilo e de funcionalidade. "O perfil desse cliente é moderno, urbano, de quem não faz conta do valor por metro quadrado, mas do que pode pagar", determina o vice-presidente de desenvolvimento da Fernandes Mera Negócios Imobiliários, Vinícius Leite. "Até porque o m² dessas unidades custa mais por causa da localização e de tudo o que oferecem [como serviços no condomínio]."

Em geral, esses imóveis são comprados por quem quer morar em localidades mais centrais, perto do trabalho. "Há alguns anos, quando se falava em 40 m², era só em regiões afastadas e para renda mais baixa", caracteriza o sócio-diretor da Innovar Estratégia Imobiliária, Diego Silveira Corrêa. "Imóveis no estilo do Villagio di Firenze [Perdizes, zona oeste], pequenos mas com o m² muitas vezes mais caro que o de outros bem maiores, são muito procurados como uma primeira moradia que confere status por estar em regiões nobres", ressalta.

"Atraem principalmente jovens e casais na faixa de 25 a 30 anos", reforça Leite. "Querem modernidade, um prédio com lavanderia, espaço gourmet e decoração diferenciada, mas sem a rotatividade de um flat."

Fonte: Folha online

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/743013-imoveis-compactos-e-bem-localizados-ficam-mais-caros.shtml

| Mais

 
Veja também


 
Comentários