busca

envie um email telefones para contato

08:28 - 23/08/10
Carona na expansão imobiliária

 

Mercado oferece condições especiais de financiamento para compra de imóvel fora do plano habitacional do governo
 
O mercado imobiliário também está aquecido para comercialização de empreendimentos fora do programa habitacional popular do governo federal. Serão lançadas no Estado do Rio, até dezembro, mais de 2 mil unidades, com valores acima de R$ 130 mil. Esses imóveis contam com algumas vantagens, como juros mais baixos e a utilização do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para unidades avaliadas em até R$ 500 mil, além do prazo alongado para 30 anos e financiamento de até 90% do bem.
 
Segundo a superintendente regional da Caixa Econômica Federal, Nelma Tavares, esse mercado continua muito aquecido. "As condições de crédito estão bastante acessíveis, e o valor da prestação equivale a um aluguel", diz Nelma. Dados da Caixa revelam que, de janeiro até o dia 30 de julho, foram liberados R$ 5 bilhões do FGTS para o financiamento de moradias fora programa habitacional no País. No Rio, o montante foi de R$ 490 milhões, mais R$ 2 bilhões, da caderneta de poupança.
 
Os juros na modalidade de financiamento — que permite a compra de imóveis novos, usados e na planta de até R$ 500 mil pelo SFH (Sistema Financeiro de Habitação) — variam de 8% a 12% ao ano mais TR (Taxa Referencial). Na linha Pro-Cotista, por exemplo, a taxa é de 8,66% ao ano mais TR. Na Caixa, imóveis de até R$ 150 mil têm juros de 7,9% ao ano mais TR, se o mutuário optar por um pacote básico de relacionamento com a instituição. No Banco do Brasil, as taxas vão de 8,9% a 11,5% ao ano mais TR. O BB financia até 90% do valor do imóvel, sendo que o valor mínimo do empréstimo deve ser R$ 20 mil.
 
De acordo com o vice-presidente do BB, Paulo Rogério Caffarelli, no fim de junho, a carteira imobiliária do banco chegou a R$ 2,1 bilhões, registrando crescimento de 84,9% sobre os 12 meses anteriores. A instituição ainda tem R$ 5 bilhões para emprestar ao setor. Desse total, 55% dos recursos seriam para as construtoras e o restante para pessoa física.
 
Sócio da Percepttiva — especializada em marketing imobiliário —, Rafael Duarte adianta que tem mais 2 mil imóveis com esse perfil para lançar até dezembro no estado. "O cenário está positivo para quem vai comprar o primeiro imóvel ou investir. A valorização imobiliária na cidade já está sendo sentida, além das melhorias em infraestrutura que serão feitas pelos governos para a Copa do Mundo e as Olimpíadas", analisa Duarte.
 
Fonte: Clip Imobiliário
| Mais

 
Veja também


 
Comentários